De volta com “Mudança de Hábito”

Para quem acha que eu abandonei o blog pode tirar o cavalinho da chuva, pois estou mais animada do que nunca.

Digamos que eu tenha dado uma “desprezada” geral na atualização diária. Juro que tem um motivo (pelo menos pra mim). Além de estarmos morando num outro bairro, nossas coisas do Brasil finalmente chegaram.

Acreditem, consegui sobreviver quase 04 meses com 2 xícaras, 2 copos, 2 pratos, 1 panela e alguns talheres adquiridos no IKEA. Sem dizer que tive que usar de muita criatividade para cozinhar aqui, porque convenhamos que 1 panela não dá pra nada.

Foram semanas tumultuadas, pois tive que abrir sozinha muitas caixas e colocar tudo isso no lugar não foi fácil, mas finalmente sobrevivi. Estava com muitas saudades das minhas coisinhas… ai ai nem me fale.

Apesar de ter trazido muitas coisas do Brasil, outras precisaram ser compradas aqui como, por exemplo, a TV. Eu também trouxe a TV do Brasil, mas alguns anos trabalhando em produtora me renderam certo conhecimento, ou seja, o sistema de imagem brasileiro é diferente do sueco. E por que então eu trouxe uma TV do Brasil? Simplesmente para poder assistir aos meus DVDs preferidos… simples assim!

Mas como assistir DVD diariamente é chato, decidimos comprar uma TV. O mais engraçado é que para ser atendido por um vendedor você precisa pegar uma senha. Ninguém aqui vai ficar em cima de você perguntando se está precisando de ajuda, te seguindo pela loja, observando todos os seus passos e movimentos ou tentando te empurrar algo que você não precisa. Até nisso eles são organizados.

Esse aqui é o painel da senha e ao lado o vendedor atendendo uma potencial cliente.

 

Aliás, foi ele mesmo que nos atendeu… muito atencioso e prestativo por sinal. E é claro que saímos da loja super felizes com nossa nova aquisição.

Entretanto, quando você compra uma TV aqui na Suécia, o governo meio que “tenta controlar” e descobrimos isso quando fechamos o negócio. Funciona mais ou menos assim: você compra a TV e precisa comprar um aparelhinho para sintonizar os canais abertos. E apesar de ser “canal aberto” (que teoricamente seria grátis) você precisa pagar uma taxa para o governo de SEK 500,00 (mais ou menos R$ 125,00) a cada 3 ou 4 meses, só para ter sua TV recebendo o sinal. Dá pra acreditar nisso?

Saímos da loja felizes e contentes e fomos pagar mico. Pagar mico? Como assim? Sim, pagar mico, pois como não temos carro, tivemos que carregar a nossa TV pela ruas de Gotemburgo no muque. E o mais engraçado é que ninguém fica olhando pra você com cara de reprovação, porque muita gente faz isso aqui. Já vi pessoas carregando TV, impressora, computador, cadeira, mesa, ou seja, SUUUUUPER NORMAL.

Olha eu sentadinha esperando o ônibus.

E depois já dentro do ônibus com a TV, que por sinal ocupou o lugar reservado dos carrinhos e cadeirantes. Ainda bem que ninguém brigou com a gente e o retorno foi tranquilo.

Acho que só aqui pra fazer isso mesmo, porque se fosse no Brasil atualmente, infelizmente, a gente nem conseguiria chegar do outro lado da rua com ela. É triste, mas é a realidade.

E aí, alguém mais já pagou esse mico alguma vez na vida?

Vi ses… hej då! 😉

** Post de 15 de setembro 2011 **

Faça a teimosa feliz. Comente!