Assombração ou imaginação? O Retorno

No ano passado eu um fiz um post chamado Assombração ou imaginação? e contei um pouco sobre uma suposta casa mal-assombrada em Gotemburgo. Eu morria de medo, principalmente ao ter de passar em frente dela ao anoitecer. Para quem não sabe do que estou falando dá um pulinho lá e mate a curiosidade, ok.

Depois daquele dramalhão eu cheguei a descobrir algumas coisinhas. Na verdade a pessoa que morava lá faleceu e por problemas familiares a casa estava fechada. Raramente havia alguém por lá, embora a luz permanecesse constantemente acesa. O que poderia ser uma assombração, na verdade era uma luz programada para acender automaticamente. Finalmente descobri que tudo não passava de pura imaginação e pude voltar a ter as minhas tranquilas caminhadas por ali.

Sempre fui muito medrosa com essas coisas do “além”. Tenho pavor de filmes que envolvem espíritos, principalmente porque tenho pesadelos à noite. Também pudera, minha mãe assistiu ao Exorcista no cinema quando estava grávida de mim. Vê se pode? Ela não tem medo dessas coisas e sempre me disse que a gente não tem que ter medo dos mortos, mas sim dos vivos, porque esses sim ainda podem nos fazer algum mal.

Sou tão neurótica com isso que até hoje o filme Espíritos não saiu da minha cabeça. Já assistiu? É um filme japonês e tem um cara que sente uma dor constante nos ombros, como se fosse uma tensão. Até aí tudo bem. O ápice do filme é quando ele descobre que essa dor se dá porque ele carrega um espírito nos ombros. Detalhe… eu tenho dor nos ombros. É para ficar apavorada, não?

Eu sei que muita gente não acredita em nada disso e eu até que tento ser indiferente com esse assunto, mas juro que não consigo. E agora eis que me surge uma nova assombração… A mão que balança o balanço.

Perto de onde estou morando tem um parquinho bem simples para as crianças se divertirem, mas raramente as vejo por lá. Diariamente pela manhã há uma senhora tomando um solzinho, enquanto lê o jornal ou faz palavras cruzadas.

Nesse parquinho há um espaço com quatro balanços desses feitos com pneu. E aí que na semana passada estou voltando com o maridão do supermercado e o que eu vejo? Dois balanços para lá e para cá. Pensei “finalmente as crianças estão brincando”. Chegando mais perto comecei a ficar com um medo daqueles. Minhas pernas amoleceram, subiu um arrepio pela coluna e um tremor se instalou dentro de mim. Por pouco não fiz xixi nas calças. Tudo isso porque não havia absolutamente ninguém ali. Eu disse NINGUÉM! Apenas os balanços para lá e para cá, para cá e para lá.

Poderia ser o vento? Impossível! Porque estava um dia ensolarado, quente e sem nenhuma brisa à vista. Bingo! Era realmente uma assombração, ou pior, duas assombrações.

Somente nessa semana é que eu consegui me aproximar novamente para tirar uma foto e mesmo assim fiquei mega tensa. E olha, só tirei essa foto porque havia outra pessoa por ali.

Mas depois fiquei pensando, será que aquela senhora que lê o jornal diariamente realmente existe? Deus queira que sim, porque caso contrário terei de mudar a minha rota para o supermercado.

Pensou se ela resolve falar BOO para mim? Certeza que eu desmaio!

Vi ses… hej då! 😉

14 thoughts

  1. oi, ja a conteceu comigo de não haver nenhuma criança por perto e o balanço estar pra lá e pra ca. e quando eu olhei, ele parou. simples assim…fico ate emocionada só de lembrar. eu fiquei feliz imaginado seres do bem se divertindo por ali. rsrsrrsrs, amiga, deixe os espiritos em paz….rsrsrsrsrsrs

    1. Oi Andrea!
      Opa, estou vendo que não sou a única. Quer dizer que você teve experiências também com isso? Muito legal você compartilhar. Valeu!
      E você pode ter certeza de que os deixo em paz sim… não quero nenhum me assustando hehe
      Puss!

    1. Wow! Agora eu fiquei com medo de vc huahuahua! Brincadeirinha kkk. Quando eu era criança outras coisas aconteciam comigo também. Eu não chegava a conversar, mas te garanto que eu via muita coisa. Aposto que muita gente pensa que é coisa de criança, amigo imaginário etc., mas posso jurar que não eram. Até há pouco tempo atrás eu pressentia quando alguma coisa ruim ia acontecer. Hoje eu tenho bloquear essas coisas de todas as maneiras possíveis, porque realmente não sei lidar com isso.

      Acabei de ler a sua história. Bah, fiquei arrepiada dos pés à cabeça com essa história! Que coisa esse mundinho sobrenatural, hein?!

      Puss!

  2. Hahaha, amei Vanoca!
    Morri de rir #literalmente, lendo o post, olha não é por nada não, mas de vez em sempre tenho essas paranóias também… ultimamente não tenho dormido direito desde que um retardado decidiu pular o muro da minha casa… sempre que escuto um barulho #pânico… daí pra variar minha irmã caçula tem uma boneca daquelas grandes acho que o nome delas é Stéfany e parece que toda vez aquela praga de boneca fica olhando pra mim onde quer que eu vá… e além disso minha irmã conversa sozinha de madrugada e sai andando pela casa… vê se pode uma coisa dessas… #fear
    Imagina você no meu lugar, haha #tadinha

    Puss och kram 😉

    1. Nossa, pularam o muro da sua casa??? Isso sim é algo para se preocupar e muito. Eu lembro quando eu morava em SP, perto da minha casa havia uma feira livre aos sábados. A montagem das barracas de madrugada era tão barulhenta que dava a impressão de que tinha gente andando pelo quintal. No começo eu me assustava, mas depois acabei me acostumando. Agora, de boneca eu não tenho medo, mas aqueles palhaços da década de 70… ah, esse sim dão medo. 😀
      Puss!

  3. Hahahaha!
    Semana passada o alarme de incêndio disparou as 2h19min do nada. Pensa numas pessoas com medo… sorte que descobrimos que o problema é comum.
    Agora, eu sempre imagino o que acontece com as minhas coisas desaparecidas! Hoje mesmo estou há um tempão procurando umas das minhas blusinhas favoritas e nada.
    Será assombração ou o saci?
    Beijos

    1. Haha… será que existe saci aqui na Suécia? Tô tentando imaginar como ele seria? 😀
      Vira e mexe as coisas somem aqui em casa também, mas aí eu descubro que o maridão colocou em qualquer lugar e depois não lembra rs.
      Puss!

  4. Hahaha, Vaninhaaa, o que vc faria então se a impressora ligasse do nada e começasse a imprimir algo ? Ou o que dizer dos brinquedos das minhas filhas que começam a tocar sem que alguém manipule? Sim, essaa coisas acontecem direeto aqui em casa, mas eu sou tão desligada pra essas histórias que nem me toco que pode ser algum brincalhão querendo contato. Não assisto filmes do estilo, mas o que me assusta de verdade é gente doente, psicopatas, os que podem causar mal de verdade.
    Ahh, esse filme é tensooo demais, noossa, eu lembro dele rsrs!
    Beijos em ti!

    1. Eu acho que eu teria um treco daqueles! Você não imagina como essas coisas me apavoram. Mas eu acho que você está certíssima não dando bola para isso e sim para as coisas que realmente valem à pena, principalmente com relação às pessoas que podem nos fazer algum mal. Minha mãe sempre fala isso, que os mortos não podem nos fazer mal, mas sim os vivos e é com esses é que devemos ter os olhos bem abertos.
      Puss!

  5. Quando você viu os os balanços andado para trás e para a frente, deveria ter pensado as crianças que estavas aqui jogaram eles entretanto com muita força e foram embora, e até agora estão andando. Pois eles demoram a parar. =D
    Quando você diz “Bingo! Era realmente uma assombração, ou pior, duas assombrações.”, quem lê fica com a certeza que você entrou no mundo do além e teve contato com as assombrações, e por isso tem a certeza que foram elas.
    Quanto à senhora é mais fácil chegar perto dela e toca nela. Se sentir o toque é porque ela existe se o seu dedo atravessar ela é porque é assombração.
    Lycka till!
    Vi ses… hej då!

    1. Oi Carla!
      Concordo contigo. Pelo menos prefiro acreditar nisso, que realmente havia crianças e que elas foram mais rápidas do que a minha visão pode acompanhar.
      Desculpe, se passei a impressão de que tive contato com assombrações. Por favor, não leve a mal, porque realmente eu não tive e nem pretendo ter. Morro de medo! :D. Apenas quis tornar o texto um pouco divertido para mim.
      Agora, chegar perto da senhora e tocá-la? Isso vai ser difícil de acontecer, mas talvez eu possa tentar bater um papinho com ela na próxima semana e tirar a prova dos nove. 😉
      Puss!

  6. Hahahahaha……. vc mora em Legocity e tem medo de fantasma….. Sabe que também não gosto desse assunto mas o filme que me apavorou foi o do Will Smith na cidade abandonada….. poxa me sumiu o nome….. Mas fique tranquila pense na possibilidade das crianças terem ido embora e deixado o balanço se divertindo…….. kkkkk. BJKS

    1. Alice, eu sou a maior medrosa do universo! Vira e mexe a minha mãe desenterra alguma história minha sobre esse assunto e é claro que sempre arranca muitas risadas de quem as escuta.
      Acho que o filme que você comentou é “Eu sou a lenda”. Acredita que eu fiquei com medo também?! rs. Com relação ao balanço, estou procurando pensar nisso mesmo, que as crianças que estavam brincando saíram correndo floresta adentro e que eu não as vi. 😀
      Puss!

Dê vida a esse blog. Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s