Surströmming: o peixe podre da culinária sueca

No post sobre a festa do lagostim eu mencionei um peixe podre chamado Surströmming que é servido durante o Kräftskiva. E isso acabou me despertando certo interesse em compartilhar um pouco sobre esse prato bem típico na mesa dos suecos e de cheiro nada agradável. Na verdade o peixe não é podre, mas sim fermentado.

Histórias da Carochinha

Algumas histórias giram em torno de como surgiu o Surströmming, mas vou deixar aqui apenas duas.

Uma delas é de que o prato teve origem com os marinheiros suecos lá pelo século 16, quando os mesmos possuíam apenas metade da quantidade de sal necessária para manter o peixe fresco. E como a quantidade era insuficiente para armazená-lo, o peixe começou a apodrecer. E foi aí que os suecos resolveram bancar os espertinhos e pregar uma peça nos finlandeses vendendo o peixe podre. O que os suecos não esperavam é que o tiro sairia pela culatra. E por quê? Porque os finlandeses simplesmente piraram o cabeção na onda do peixe fedido e se deliciaram com o novo sabor. Pois bem, o que era para ser uma piada de mau gosto acabou caindo no gosto popular e virando um prato típico na Finlândia. Com uma dorzinha de cotovelo e um orgulho estampado na cara, os suecos resolveram inserir o peixe no cardápio do país também.

Outra história da carochinha, talvez a mais aceita, é sobre o custo do sal nessa época. Difícil de acreditar, mas o sal já teve seu preço lá nas alturas, principalmente quando se falava em conservação da comida. E como nessa época utilizar sal era um luxo, acabou se decidindo pela fermentação usando apenas metade da quantidade sugerida em uma solução salina forte.

Bom, na verdade a origem da história tem pouca importância. O que atualmente pesa é que o peixe tipo arenque virou um queridinho nacional… ou pelo menos para quem o aprecia.

Um resumo do processo

O peixe é capturado entre abril e maio, justamente o período que antecede a desova, já que eles não podem estar porpetinhos. Daí que eles são colocados numa solução salina bem forte por mais ou menos 20 horas. Tudo isso para que o sangue seque e a fermentação ocorra de forma correta. O processo é totalmente sem glamour e não é para os fracos. Arranca-se a cabeça e as vísceras sem dó e nem piedade. Depois coloca-se esses peixes numa solução de salmoura mais fraquinha em barris. Esses barris são empilhados numa sala com temperatura entre 15 a 20 graus Celsius e o processo de fermentação é iniciado. É claro que outras substâncias de nomes estrambólicos são colocadas também, mas nem vou perder tempo com isso, ok.

A lata desse peixe chega a ser bem estufada e os suecos recomendam que a mesma seja aberta fora de casa, pois caso contrário o ambiente pode ser tomado pelo mau cheiro, de tão forte que é. Por isso há a recomendação de que se coma ao ar livre… SEMPRE!

Surströmming: o peixe mais fedido do mundo

Como consumir

Mas e como se come esse peixe? Pois bem! Esse peixe é servido com um pão chamado tunnbröd, que é um pão fino, suave e que possui uma leve crocância. Não pode ser torrado, porque o sabor vai todo para o beleléu.

Não agrada comer só pão e peixe? Não se preocupe, pois há dicas para mascarar o sabor e ajudar você a colocar o peixe goela abaixo. Por exemplo, na região Norte da Suécia, costuma-se colocar sobre o pão: manteiga, batatas cozidas picadas ou trituradas, coberto com filetes desse peixe “cheiroso” e cebola roxa cortada bem fininha. Se quiser ainda dá para colocar um pouco de um queijo chamado Västerbottensost (um tipo de queijo da região de Västerbotten) para amenizar o gosto forte do peixe. Enquanto que na região Sul, o povo prefere consumi-lo com cebola cortada em cubos, gräddfil (que é a nata do leite industrializada) ou crème fraîche e cebolinha. Às vezes coloca-se também salsinha, tomate picado e um tempero chamado dill.

Há quem diga que ele servido com os acompanhamentos certos vira uma verdadeira delícia. Bom, eu duvido!

E o que beber para conseguir engolir toda essa gororoba? Nada mais que uma bela cerveja, seja na pressão ou apenas uma leve tipo Pilsen. Há quem prefira escolher o svagdricka, que é uma bebida de malte com baixo teor de álcool. Mas para aqueles que não são muito fã de bebidas alcoólicas, o Surströmming também pode ser acompanhado com água ou leite frio. Acho que um suco e uma coca devem cair bem também.

Os suecos afirmam que o gosto pelo Surströmming é adquirido após algumas tentativas de saboreá-lo. Agora uma coisa é clara, ou você ama o sabor do peixe ou detesta. E apesar de nunca ter experimentado eu fico com a turma dos que o detestam.

Curiosidades

  • No passado o peixe tipo arenque não podia ser vendido antes da terceira quinta-feira de agosto, conhecida como Surströmmingsdagen. Em outras palavras: calendário e planejamento são tudo na vida de um sueco.
  • Sabia que as companhias aéreas Air France e British Airways proibiram há alguns anos de servir esse peixe em seus voos comerciais? Verdade! O motivo: as latas de peixe são potencialmente explosivas. Até a venda no aeroporto internacional de Estocolmo (Arlanda) foi proibida. É claro que os fabricantes não gostaram nadinha de nada dessa história e chamou as companhias aéreas de “culturalmente analfabetas”.

Histórias, cultura e curiosidades a parte eu digo que a vontade passou bem longe de me atrever a comer esse peixe. Eu nunca experimentei e tenho certeza absoluta de que nunca irei experimentar. Primeiro porque não gosto desse tipo peixe e só de pensar no cheiro, já sinto aquele embrulho e um nó estômago. E segundo que gosto não se discute. Ainda prefiro manter o meu paladar intacto e saudável. Só espero que ninguém me pregue uma peça.

E você se arriscaria?

Vi ses… hej då! 😉

UPDATE: participei de uma feira ao ar livre no dia do Surströmmingsdagen e vou te contar uma coisa. Eu quase vomitei com o cheiro forte. Precisei tomar muita distância da barraquinha que estava vendendo o peixe, de tanta ânsia que fiquei. Agora eu tenho certeza de uma coisa. Jamais irei experimentar esse treco esquisito. Nunquinha da Silva!

37 thoughts

  1. Oi Lindinha!
    Eu li todo o post sobre o tal peixe e li todos os comentários super curiosa sobre o “cheiro” rsrs…Você que é ótimas nas descrições por favor explique nos mínimos detalhes,eu fiquei o tempo todo imaginando o chulé do meu filho que é podre há há há
    Mas aqui temos uns hábitos alimentares nojentos também rs o pessoal do nordeste principalmente com os vatapás,caldos de mocotó,etc eu não tenho coragem de comer e meus pais que são nordestinos não gostam,talvez por isso que eu não suporte o cheiro de “casa do norte” que é bem desagradável arg
    Uma época eu resolvi ser “macrobiótica” e frequentei a liberdade pra comprar os ingredientes específicos que são na grande maioria chinês e tem umas coisinhas bem fedidinhas lá também rsrsrs acho que esse gostos exóticos deve ser comum em muitos países…

    Bjs

    1. Maria, o cheiro realmente é horrível. Ano passado tive essa experiência e juro para você, quase coloquei tudo para fora.

      Em qualquer país tem coisa esquisita para comer, né? Acho legal provar as comidas locais, mas algumas não há chance alguma de experimentar. 🙂
      Puss!

  2. já provei, é um prato saboroso e adictivo (tal o sabor genial, é uma especie de camembert fresco) só que é caro, melhor que sushi. Eu costumo pegar em peixe congelado e deixa-lo apodrecer embalado 1 semana no frigorifico, quando começa a decair, barra-se no pão – é uma refeição, garanto.
    para comer este peixe é preciso fugir do control mental da “plantação eugenica”, meus avos não tinham frigorifico tinham a melhor carne do mundo, legumes e pão. os japoneses nao tiveram sempre frigorifico tem tecnicas de conservaçao que o ocidental fugiria a fermentaçao é uma delas.

    o peixe conserva-se bem em frascos com legumes, por exemplo, tenho uma pescada que vai fazer 3 meses no frasco legumes fermentados, faça a experiencia com uma posta de peixe.
    Coloque uma posta de peixe num frasco e adicione legumes esmagados á mão com o liquido que escorreu dos legumes adicione sal para dar gosto. Deixe o frasco transparente durante um ano em local visivel e veja por fora que ele nunca apodrece. porque a fermentação dos legumes, conserva os legumes, a posta de peixe e até o frasco (risos). Faça a experiência. E é uma delicia depois de aberto.
    o peixe fermentado é excelente para emagrecer porque nutre tanto que voce não tem fome o dia inteiro, eu uso muito legumes e peixe fermentado emagreci em 2 semanas 1 furo no cinto sem passar fome. E substitui o vinho á refeiçao por comida fermentada. mais barata e mais saciante.

  3. Oi Vania.
    esse bendito peixe, é simplesmente: Muito fedido e tem um sabor horrivel.
    Eu estava morando na Suécia uns seis meses e nunca tinha provado o tal Surströmming. Um belo dia uma amiga brasileira me convidou para comer na casa dela. Ela fez uma mesa bonita ( la fora) com um monte desses pães gostosos, batatas, lök, cortada em rodelas, ate ai tudo bem, quando ela abriu a lata do tal Surströmming, eu pensei: E agora, que que eu faço?? – Fujo pelas portas de traz ou digo que nao tô com fome? kkkkkkkkk
    Nao teve jeito tive que esperimentar um lite lite, mas muito lite pedaço,. Meu Deus, eu quase que vomito as tripas. Ate hoje quando lembro, tenho vontade de vomitar.
    Detalhe: A minha amiga brasileira come Surströmming.e lambe ate os beiços. Éca!! kkkkk
    Bjs Vãnia.

    1. Olá Grace!
      Adorei saber sobre a sua experiência com esse peixe nada convencional rs. Pelo jeito essa história ficou marcada para você, não é mesmo? Eu nunca o experimentei e vou ser sincera contigo… isso está longe de acontecer rs.
      Valeu pela visita e pela história.
      Puss!

  4. Eu como no máximo salmão defumado e tá bom auhaua sabe que minha quedinha mesmo é sempre as coisas mais cruas possível, no quesito peixe of course rs…

    Mas acho que quem ia gostar disso é o meu pai…

    Kisu!

    1. Eu gosto de peixe cru também e acho a culinária japonesa uma das mais deliciosas. Agora esse peixe sueco, definitivamente, está totalmente fora de cogitação na minha lista de curiosidades gastronômicas para se experimentar. Acho que nem mesmo seu pai iria gostar, viu?! rs
      Puss!

  5. Eu acho que encararia! Mas tenho certeza de que não iria gostar! Eu gosto de experimentar coisas novas, mesmo que o novo não me agrade. Certeza que quando for por aí vou atrás de experimentar esse peixe! hehehehe será que sou meio viking?! 🙂
    Puss,
    Ana

    1. Aninha!
      Que mulher corajosa que você é. Hoje eu assisti um vídeo no YTB de um inglês abrindo a latinha e depois tentando comer esse peixe. Só digo uma coisa… ele passou mal e eu junto só de ver. Mas olha só, quando você vir eu te apresento o peixe, mas quando você abrir a latinha pode ter certeza de que eu estarei bem longe, tá? haha
      Vocé é uma mulher raçuda, isso sim! Vai ser forte assim não sei aonde :D.
      Puss!

  6. Oieee,
    ai sou nova por aqui, mas fiquei super curiosa de experimentar essa iguaria… deve ser fedido, mas tambem deve ser bom de alguma forma para ter se mantido como um prato tipico no cardapio por tantos anos…
    bjsss

    1. Oi Dé! Seja bem vinda. Entre no diário e sinta-se à vontade 😉
      Os suecos dizem que para gostar você precisa experimentá-lo algumas vezes. Acho que deve ser para se acostumar ao sabor e porque não dizer ao cheiro também rs.
      Mas confesso a você que tenho um pouquinho de preconceito com relação a essa iguaria e não tenho coragem de experimentar. Acho que nem em 1000 anos alguém me fará mudar de ideia! 😉
      Volte mais vezes!
      Puss!

  7. Oi Vânia! Uschh… Tô contigo e nao abro de nao querer experimentar esse peixe fedido… Pelo menos aqui na minha família ninguém curte essa iguaria nao.. Hehe Ahhh dill em português é uma erva muito pouco utilizada por nós no Brasil mas que se chama endro, e aqui na Suécia é amplamente usada na culinária, tem até molho (pra variar) de dill… O gosto é bem característico e nao está na minha lista de favoritos.. Hehe Bjos pra vc e espero q esteja tudo bem ai em Stockcity!

    1. Sorte sua Pri. Imagina se você tivesse de presenciar essa cena de horror durante as festas de ter de sentir o cheirinho do Surströmming. O dill eu nunca vi no Brasil, mas já experimentei aqui. E sinceramente? Não curti muito também. O maridão gosta em diversas carnes, mas eu acho muito forte.
      Por aqui está tudo bem e quando puder venha nos visitar.
      Puss!

  8. Oi Vânia!
    Para mim há coisas que entram na categoria “coisas de Vikings”. Surströmming é com certeza uma delas. Assim sendo, aposto meu mindinho que seja necessário ao menos um pouco de sangue viking para encarar esse trem. Graças aos céus, o Joel não é muito chegado a esse tipo de iguarias suecas. Eu não sei se tenho coragem de comer pois nem sardinha enlatada me desce por causa do cheiro. Eu já estive presente quando uma pessoa abriu a caixa de pandora e o fudum é realmente de outro mundo.
    Eu não provaria!!!

    1. E bota coisa de viking né Maria! O duro é saber que as famílias mais tradicionais do Norte e Sul ainda preservam esse hábito. Conheci uma sueca que disse que o peixe faz parte de todas as comemorações na família dela e que ninguém vive sem. E detalhe: ai de quem não comer. Só disse uma coisa… “por favor, nunca me obrigue a comer, se ainda quiser falar comigo tá?” :D.
      Tá aí um prato que eu dispenso de olhos fechados, até porque o cheiro já fala por si só.
      Puss!

  9. Mas nem que passassem chocolate nele eu comeria…hahahah Tenho pavor de cheiro de peixe. Tanto que prefiro camarão e salmão (que ainda bem para nós é mais barato que carne) do que peixes. Minha sogra adora fazer tainha quando vamos de férias para lá. Acho tainha super forte que não consigo comer.
    Este aí então, ficaria sem provar. Adoro conhecer outros pratos, mas este aí tô dispensando!!! hahaha

    1. Haha! Adorei o novo conceito de passar chocolate. Vai que algum sueco leia isso e resolva pregar mais uma peça, mas agora na era moderna! E pode até virar prato da cozinha contemporânea rs.
      Apesar de gostar de peixe e alguns frutos do mar, eu não curto muito o cheiro e nem posso ver ninguém limpando. Sei lá, acho que sinto nojinho. Agora, ignorar o prato da sogra é assinar quase a sentença de morte haha.
      Esse peixe é um prato bem tradicional sueco, mas até os próprios suecos dizem que a culinária daqui já não é mais a mesma. Graças a globalização hoje se tem acesso a muitas coisas diferentes. Agora o povo que mora mais no interior, acho que esses ainda conservam os bons costumes. Ui que medo! Ainda bem que moro em Stockholm, né! 😉
      Puss!

  10. Hum, eu acho que não iria gostar, mas acho que ficaria curiosa pelo menos para provar. Um dia desses eu provei ostra, que nunca tinha comido antes. Não gostei, nem desgostei, mas provei. 🙂 Deve ser igual sushi, né? Tem gente que não suporta peixe cru, mas segundo uma amiga minha, você tem que provar a comida umas 4 vezes até se acostumar com ela. Vai ver que com esse peixe aí é assim. 😉

    1. Ana!
      Acho que você ficou curiosa porque o pãozinho montado é tão bonitinho, né? Se um dia quiser experimentar, não fique perto ao abrir a lata, porque essa curiosidade irá passar num piscar de olhos rs. Mas eu acho bacana ter esse espírito de estar aberto a novos sabores e pelo menos tentar experimentar. No caso do sushi e sashimi não virei fã na primeira vez, mas na segunda… hum, já havia me rendido completamente aos encantos da cozinha japonesa.
      Agora, com relação a esse peixe, juro que não tenho coragem. No fundo eu ainda sou uma fresca sem conserto. 😉
      Puss!

  11. Eu gosto muito de peixes e frutos do mar, mas esse ai não me apeteceu não, rs… se é preciso disfarçar tanto o peixe para comer, é porque coisa boa não deve ser… hahahahah
    Agora que vc citou sobre a Dinamarca e a Suécia: quando eu estive na Dinamarca, no tour que fizemos, foi dito que os suecos e os dinamarqueses foram inimigos durante muito tempo, mas que atualmente a rivalidade não existe mais. Confere? rs… ou eles seriam tipo BrasilxArgentina, hahaha. Bjsss

    1. Sandrinha!
      Eu gosto de peixes e alguns frutos do mar, mas não sou chegada a coisas que parecem melequinhas do mar rs. Mas esse peixe aí sem dúvida eu passo a vez. Eu acho que eles criaram essa aparência toda bonitinha para pregar peças aos mais desavisados, isso sim.
      Com relação à rivalidade entre eles realmente foi verdade. Eles foram inimigos no passado, mas hoje isso ficou para a história. O que acontece bastante são as piadinhas entre eles, mais ou menos no estilo entre brasileiros e portugueses. Mas sem dúvida o país que os suecos mais fazem piadas é a Noruega, desde a comparação de mulheres até salsichas :D.
      Puss!

  12. Argh!! não sou muito fã de peixe não na verdade nem de carne nenhuma !! rsrs, e não me leve a mal não Vanoca mas só de ver a latinha do Surströmming no post meu estomago embrulhou kk.. Super concordo com você em fazer parte do time dos que não gostam do peixe..

    Puss och kram 🙂

    1. Lindinha! Então, você não está perdendo nadinha de nada. Nem mesmo todos os suecos são fãs desse peixe. Imagina! Ter de experimentar algumas tantas vezes para acostumar com o sabor? Nem pensar! Podemos até criar um movimento do “Sai pra lá Surströmming”! 😉
      Puss!

  13. Adorei as histórias da carochinha. Fico com a primeira. haaha.
    Sou meio nojentinha com essas coisas, mas vendo a foto me deu até vontade de provar. O prato pronto tem cheiro forte?
    Só sei que pior que caviar não pode ser. NÉ? Rs

    1. Acho que é porque é a mais bonitinha, né? E também porque cria aquele sentimento de “pegadinha do Malandro” rs. Mas não se deixe enganar, a foto pode parecer bonitinha, mas assim que você sentir o cheiro tenho certeza de que irá mudar de ideia. C-E-R-T-E-Z-A! O prato tem cheirinho também, mas não tanto quanto se abre a lata… cruz-credo-Maria-José. Eu também não gosto de caviar, mas se fosse obrigada a escolher um desses, eu ficaria com essa última opção, até porque nem precisaria mastigar :D.
      Puss!

    1. Eu acho que foi a maneira que eles encontraram para não ficarem atrás dos finlandeses. Tipo aquela dor de cotovelo sem fio, sabe? Só sei que nem mascarando o sabor e nem disfarçando a aparência eu me arrisco a comer. De jeito nenhum! 😉
      Puss!

  14. Vânia, excelente postagem. Já tinha ouvido falar mas não me interessei muito porque achei algo muito exótico. É exótico para o Brasil, mas aí é prato típico, então lí com toda a atenção e fiquei muito bem informado pela sua ” reportagem “.
    Valeu, Vânia!
    Um beijo,
    Manoel

    1. Manoel, é bom quando a gente pode conhecer e aprender com os diversos pontos de vista sobre o mesmo país, não é mesmo? Mas serei sincera contigo. Só tive conhecimento desse peixe depois que mudei para cá. Pois é, vivendo e aprendendo! Também concordo contigo que esse tipo de prato é muito exótico para o Brasil, até porque não fomos criados dessa maneira. Mas tivemos a felicidade de estar sempre rodeados pela fartura de frutas, legumes e verduras, coisa que por aqui nem sempre aconteceu (e ainda não acontece).
      Saiba que você é um querido e eu adoro os seus comentários aqui no diário! 😉
      Puss!

  15. Já tinha ouvido falar deste peixe porque na empresa onde eu trabalhava alguns suecos resolveram abrir uma lata dessas no refeitório… Bonitinhos eles, né? Nem preciso dizer que só eles conseguiram permanecer no lugar, né? 🙂

    1. Onde está o bom senso dessa rapaziada? Totalmente sem noção esses mocinhos suequinhos, hein? Acho que lá no fundo eles queriam dominar o local e por isso a melhor maneira de fazer isso foi abrindo essa lata bombástica rs. Eu realmente não gosto desse peixe e nunca, jamais irei experimentá-lo. Tem gosto pra tudo, né?
      Puss!

Dê vida a esse blog. Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s