Embu das Artes: de São Paulo para Estocolmo

Uma das coisas que eu queria trazer para Estocolmo na última viagem que fiz ao Brasil era algum objeto de decoração. Queria algo único e com cara de pura cultura brasileira, sabe. Foi quando comentei esse meu desejo com uma amiga e ela me deu a brilhante ideia de irmos até Embu das Artes, o local perfeito para se achar objetos diferentes e artesanais.

A cidade está localizada na região de Itapecerica da Serra, o que dá de carro entre 40 a 50 minutos do centro de São Paulo, dependendo do trânsito. Os finais de semana por lá são os mais agitados, pois há barraquinhas e feiras livres com tudo que se possa imaginar: quadros, roupas, penduricalhos, brinquedos, doces caseiros e artesanato em geral.

IMG_2550

Minha intenção além de comprar algo diferente era fotografar também, mas esse último desejo foi sem sucesso. Quando peguei a câmera para começar a fazer os meus cliques percebi que lojistas e artistas se sentiram incomodados. Talvez ficou aquela nuvem negra sob a cabeça deles de que eu queria “copiar” a ideia. Mal sabem que o que eu queria mesmo era mostrar o melhor da cidade.

IMG_2554

IMG_2551

E com isso consegui tirar apenas cinco fotos e nada mais. Achei melhor guardar a câmera e aproveitar o passeio de outra forma, afinal, eu não queria ter alguém me chamando a atenção.

IMG_2552

IMG_2553

A princípio eu tinha a ideia de trazer algo feito em madeira, que pudesse ficar em alguma mesa de centro, aparador ou janela. Mas os objetos que eu realmente gostei, para a minha decepção, nenhum era brasileiro. Todos estavam com a etiqueta estampada de Made in China. Pois é, Embu das Artes também se rendeu a potência chinesa e já não é a mesma de antes.

Porém, o maridão tinha outra ideia em mente. Um quadro! E de cara já pensei como a gente iria transportar esse quadro para a Suécia, nas taxas que a companhia aérea cobraria, num possível extravio e até na dor de cabeça que teríamos se o quadro sofresse uma avaria. Fiz um dramalhão mexicano comigo mesma e com direito a lágrimas de crocodilo. Totalmente sem necessidade. Sou exagerada mesmo, eu sei. Mas maridão, como sempre, tinha tudo esquematizado.

Bom, logo que chegamos ao centro de Embu, avistamos um quadro e achamos que combinaria com a nossa sala, já que tudo por aqui é preto e branco. Mas o preço, hum, não era muito agradável. E sabe como é, artista num primeiro momento joga o preço lá em cima e não quer saber de negociação. Com o preço pouco atrativo, decidimos dar um giro pela cidade para ver se achávamos outro quadro que nos agradasse.

Xeretamos todas as barraquinhas e lojas possíveis. Paramos para almoçar e comemos bala de coco caramelizada. Estava uma delícia e olha que nem curto coco assim, mas foi bom sentir um gostinho brasileiro.

Rodamos mais um pouco e nada. Resolvi procurar por outros objetos e encontrei um que eu simplesmente amei ao cubo. Mas havia dois problemas. Um: era caríssimo, mais de mil reais. Dois: não caberia na mala, pois possuía cerca de 1.80m e era impossível de ser desmontado. Não sei se consigo explicar direito, mas era uma escultura em madeira no formato de uma árvore e com todas as flores trabalhadas a mão. Essas flores tendiam para o lado direito e pareciam que estavam soltas ao vento. Era a escultura perfeita para a parede da minha sala. Depois de alguns minutos sonhando acordada, controlei a minha euforia e cai na real.

E adivinhe só o que aconteceu? Voltamos no primeiro tiozinho do quadro que gostamos. É sempre assim, a gente acaba comprando no primeiro lugar que viu. Conversa vai, conversa vem e fizemos uma boa negociação, pois conseguimos um desconto de 150 dilmas. Bom, né? Prefiro pensar que foi um desconto e não o preço normal.

Lembra que eu falei que maridão tinha tudo esquematizado? Então, ele pediu para o artista tirar a tela da moldura e colocar num canudo, desses de papelão mesmo. Mas ele não contava com a minha teimosia. Cismei que queria trazer a moldura também, afinal eu “tava pagando”.

Chegando ao carro, percebemos que a moldura não caberia no porta-malas e nem no banco de trás. O jeito mais fácil para transportá-la seria prendendo-a do lado de fora. Sem barbante ou cordinha, o jeito foi agir na improvisação. Os meninos tiraram os cadarços do tênis e a amarraram no teto do carro.

IMG_2555

IMG_2556

Mas ainda tinha muita coisa para acontecer. Maridão não contava com a minha teimosia parte 2. Cismei de trazer a moldura também para a Suécia. Só tinha um pequeno problema. Não cabia na mala. E não teve santo que fizesse eu mudar de ideia. O pobre coitado teve de desmontá-la e dar um jeito de colocá-la dentro da mala. Acho que nem preciso dizer que o menino quase surtou, né? No fim, a moldura seguiu viagem dentro da mala e a tela veio conosco no canudo dentro do avião.

Chegando a Estocolmo a responsabilidade por carregar o canudo era minha. Enquanto esperávamos ainda no aeroporto o ônibus para casa, eu ajeitei as coisas por ali no banco de espera. Canudo, mochila, sacolinha do Duty Free e algumas tralhas de inverno. Ônibus chega. Eu entro carregada de coisas. Sento. O ônibus fecha suas portas para seguir viagem. De repente, uma alma generosa bate à porta desesperadamente. Motorista a abre. A alma pergunta em alto e bom som se alguém havia esquecido um canudo. Pois é, aquele canudo era meu. O canudo com o quadro! Maridão só me dá aquela olhada fulminante na tentativa de me desintegrar. Ali mesmo naquele banco de ônibus, numa tarde fria, escura e sem graça. Eu fico quieta com a cara de que fiz m***a. E seguimos viagem.

Depois de toda essa aventura e de um trabalhinho extra remontando a moldura e esticando a tela, a nossa sala está assim com um ar mais brasileiro.

IMG_2557

Se fosse a outras épocas eu não compraria um quadro como esse, porque não é meu estilo. Mas sabe que morando em outro país depois de algum tempo, há certas coisas que clamam pelo resgate de nossas origens. E dessa vez, o resgate foi através da arte.

Vi ses… hej då! 😉

45 thoughts

  1. Oi Lindinha!!!
    É sempre uma delicia ler os teus posts,e eu tive frio na barriga quando você esqueceu o canudo rsrsrs e o quadro é belíssimo! Você arrasou na sua escolha! Parabéns!!

    Bjs

    1. Eu amo esse quadro na minha sala Maria. Pelo menos eu sei que não há ninguém no país que tenha um igual a ele. Pelo menos assim eu prefiro acreditar! Frio na barriga? Você precisava ver minha cara quando isso aconteceu. Congelei! hehe 🙂
      Valeu!!!

  2. Realmente, foi uma aventura esse post. Agora parei para pensar, tenho em minha casa tantas coisas de outros lugares, mas falta ter artesanatos brasileiros. Vou pensar em alguma coisa…
    Adorei conhecer o seu blog, com certeza voltarei mais vezes. Grande beijo

    1. Oi Elis, seja bem vinda!
      Sabe, a minha casa estava ficando muito sueca hehe e precisava ter um cantinho do nosso Brasil por aqui. Apesar de toda essa aventura, valeu muito a pena, pois tenho algo diferente na minha sala o qual estou amando. E olha, que esse nem é meu estilo de pintura hehe.

      Obrigada pelo carinho.

      Puss!

  3. Vania,eu ameeei o quadro!
    Limão também adorou! E simplesmete é louco por arte com esse toque de brasilidade, temos alguns quadros semelhantes aqui em casa!
    Fico feliz que tenha dado tudo certo e tenho que dizer que adorei o espírito ” Macgyver” dos meninos pra transportar o quadro! Hahahaha Sensacional!

    Que o quadro te ajude a matar um cadinho da saudade de casa com essas cores lindas e alegres!

    Beijos :**

    1. Pam, essa foi a melhor aquisição dos últimos tempos. Meu ap estava muito sueco e precisava desse toque brasileiro. Algo diferente, colorido e alegre. Quando estive em Embu, juro pra você, queria trazer um monte coisas, mas por causa do tamanho e do peso, tive de abortar a missão. Mas quem sabe da próxima vez eu não desmonte mais algum quadro hahaha.

      Ainda bem que deu tudo certinho mesmo, pois caso contrário maridão teria um treco comigo. 😀

      Tenho olhado para ele todos. Saudades sempre há, mas as reflexões começaram a aumentar. 😉

      Puss!

  4. Esse seu post me rendeu umas risadas, Vânia. A do cadarco foi uma das melhores! 😀
    Mas preciso dizer, o quadro ficou lindo! Deu um colorido na sala, ao que parece. Eu gostei bastante e realmente tem uma cara brasileira.

    Beijos

    1. O que seria de mim sem os amigos de verdade, que participaram do início ao fim dessa saga comigo.

      Simplesmente, estou “in love” com o meu quadro mais brasileiro do que nunca. 😉

      Puss!

  5. Que tela linda!! E gostei da feirinha. Gosto destes lugares, cheio de artesanato e coisas bonitas. Agora, a improvisação para o transporte foi demais!! hahaha Nem o cadarço escapou do desejo de levar a compra completa!!!

    1. Adorei ter passado o dia em Embu e fiquei com vontade de trazer muitas coisas lá. Ainda bem que não havia espaço na mala para cometer essa loucura hehe. 😀

      Esse é um quadro que tem história do começo ao fim e que agora faz parte da minha vida. 😉

      Puss!

  6. Vânia, amei o seu quadro. Sou suspeitíssima porque adoro telas. Essa pintura lembrou os traços dos quadros do Romero Brito (estou louca por uma tela dele!!!). A sua sala ganhou uma outra vida e cor com esta tela. LINDO!!
    Que saudade de Embu das Artes… faz anos que fui pra lá pela última vez….Boa idéia, quando eu for para SP vou colocar no meu roteiro :-). Bjs

    1. Sandrinha, tô amando ao cubo a minha nova aquisição. Agora posso dizer que finalmente tenho algo diferente do padrão sueco.

      Aliás, Romero Brito tá um sucesso total, né? Já me contentaria muito com uma réplica dele. 🙂

      Se puder vá para Embu mesmo. É bom a gente ver coisas da nossa terra também (mesmo que algumas delas tenham a etiqueta estampada Made in China). 😉

      Puss!

    1. Valeu muito Paulinha!
      Tô super feliz da gente finalmente ter algo do Brasil em casa. E apesar de não ser muito o meu estilo, a cada dia que passa eu percebo que fiz a escolha certa. 😉

      Puss!

  7. Gostei do quadro e acho q vc teve a maior sorte de encontrar uma “boa alma” q te devolveu o canudo com a tela-se fosse aqui,minha amiga,não sei,não..Outro dia esqueci uma agenda com capa de couro no caixa do supermercado e,entrando no carro,me dei conta-voltei correndo ao caixa,isso não deu 5 minutos!-e a agenda não estava mais lá,e ninguém tinha visto nada..Perdi todas as minhas anotações, e tudo pela capa de couro, q foi o q encantou o cidadão q surrupiou a mesma,né? Cansaço dessa gente,kd honestidade,meu Jesuizzz???

    1. É tão bom saber que ainda existe gente boa nesse mundo, viu? Tenho de concordar com você, que se tivesse acontecido no Brasil minhas chances de recuperá-lo seriam menores (talvez, não impossível, sei lá).

      Você comentou da agenda e me fez lembrar que uma vez eu estava no metrô em SP, sentada em um dos bancos e lendo um livro enquanto esperava o tumulto passar. Eu tinha um saquinho feito de algodão, no formato de uma camiseta para crianças o qual utilizava para carregar livros. Era lindo e eu tinha recebido no desfile da Iódice. Pois bem. Enquanto eu devorava o livro, o saquinho caiu no chão e não percebi. Acredita que quando dei por mim alguém já tinha pegado ele e levado embora. Fiquei arrasada. Como alguém pode se sujeitar a pegar os pertences de outra pessoa? É triste, mas é a mais pura verdade.

      Puss!

  8. Lindo o seu quadro! Valeu toda a saga hein?! Enquanto estive em sampa, também fui conhecer embu e simplesmente amei. Eu comprei tanta coisa, mas tanta coisa!!! Mas só comprei coisinhas pequenas de decoração já pensando na minha volta pra cá. Mas que lugar lindo ne? Até hoje me arrependo de não ter comprado uma dessas bicicletas de colocar flores. Não sei se você lembra, tem duas fotos no meu instagram, de flores de madeira que comprei por lá. Fotografei muuuuito por lá também! Com certeza é um lugar que voltarei sempre que eu puder ir em São Paulo. Eu realmente morri de paixão! Adorei ver suas fotos e relembrar meu passeio!
    beijão

    1. E como valeu a pena. Pelo menos agora eu tenho um quadro exclusivo na minha sala e ainda do Brasil. Todos os dias paro na frente dele e fico admirando. Tão colorido e tão cheio de vida pra mim. 😀

      Foi uma pena eu não ter conseguido fotografar como eu gostaria em Embu. Acho que preciso aprender a arte de ser mais ligeira e discreta e assim não incomodar ninguém kkkk.

      E é claro que eu lembro dessas flores de madeira no seu instagram. Acho elas tão fofas! Havia aos montes por lá, né? Mas no fim nem lembrei de comprá-las. O quadro que eu vi que tinha flores em madeira (e que era o que eu queria comprar, mas não cabia na mala) era feito exatamente com essas mesmas flores. Simplesmente lindo de morrer!

      Se eu tiver coragem da próxima vez trago ele desmontado também. 😉

      Puss!

  9. Vânia,
    Antes de mais, o quadro é lindo!!!
    Fica tão bonito!
    Quanto ao mercado onde o adquiriu, só posso dizer: Nossa! Eu quero passear nessas ruas e ver essas coisas tão lindas!
    Ainda bem que a aventura do quadro transportado se terminou bem 🙂
    Um grande abraço!

    1. Sabe que eu também acho ele lindo hehe 😀 Agora eu vejo que a aventura foi ótima e só fica a história para contar.

      Embu é o local dos artistas e fonte de inspiração para muita gente. Adoraria ter fotografado mais por lá, pois vi bastante coisa interessante. Quem sabe numa próxima vez eu já tenha uma lente mais potente. 😉

      Puss!

    1. A única coisa que eles fizeram foi enrolar a tela. Quer dizer, meu marido e um amigo tiveram de ajudar o rapaz, pois ele era totalmente desajeitado. O frame acabou ficando por nossa conta, porque do que jeito que as coisas estavam indo ele acabaria quebrando algo que já estava pago. Melhor evitar, né?

      Tô amando esse quadro colorido na minha sala! 😀

      Puss!

    1. Eu vi a notícia em alguns sites por aqui que ele fará apresentação. Agora em abril, né? Mas Caetano não é muito o meu estilo também… eu sou do rock! 😀 😀 😀

  10. Adorei a “novela” do quadro. Adoro como você escreve. Pois, pois… Minhas coisinhas estão vindo de navio e os quadros que minha maezinha pintou, mesmo amadora, precisaram de uma documentação, tivemos que assinar que eram nossos, etc… A peça que gosto é uma garrafinha de areias coloridas que compramos no nordeste. 🙂

    1. Podemos dizer que foi uma aventura, misturada com novela mexicana e filme de ação, afinal eu quase fui desin tegrada hahaha.

      Esse é o procedimento normal para pinturas vindas de outro país e para entrar no Brasil também. Assim evita a comercialização das grandes obras no famoso “mercado negro”.

      E que linda que você é. Fico tão feliz que você goste dos posts. Muito obrigada pelo carinho!

      Puss!

  11. Ah, eu adoro o quadro de vocês! Sério, quando olhei pra ele, deu uma saudaaade do Brasil. É tão a cara do nosso país, né? Colorido e alegre! Eu também trouxe uma peça artesanal do Brasil, guardo com tanto carinho! <3

    1. Iupi, você gostou!
      Eu queria colocar uma coisa diferente e fugir um pouco do estilo IKEA de ser. Talvez não seja muito o estilo dos suecos, mas não ligo para isso, afinal estou feliz com a nova aquisição.
      Quer dizer que você também tem uma peça?! Ah, fiquei curiosa para saber qual é! 😀
      Puss!

  12. Oi Vânia,
    Muito divertida essa vossa aventura.
    O quadro tem a “cara” do do Brasil.
    Bateu uma curiosidade… há lojas dos chineses em Estocolmo ou em cidades próximas ?
    Bjs

    1. Foi uma aventura e tanto, mas valeu a pena cada momento que tivemos com ele. Estou adorando vê-lo nas paredes aqui de casa.

      Lojas de chineses por aqui é o que não faltam. Aliás, não só em Estocolmo como na Suécia inteira. Eles estão prestes a conquistar o mundo! 😀

      Puss!

    1. Estou feliz que a minha sala neutra ganhou um ar mais colorido e ainda com um pedacinho da nossa terra. Amo!
      Agora, quando a pessoa perguntou de quem era o canudo e vi que era meu, confesso que quase fiz xixi nas calças. Depois de um trabalhão ainda ter de perdê-lo, ninguém merece. 😉
      Puss!

  13. Haha tadinha de você Vanoca, wow que aventura hein ?!, quase foi desintegrada, ainda bem que o teu o esposo não tem visão a laser kkk. Adorei o quadro, ficou lindo !

    Puss och kram ! ;*

    1. Bota aventura nisso Roseli! E foi como você disse, surgiu mais uma história com aventuras na minha vida. Só estou meio boba ainda admirando o colorido na minha parede, porque sempre quando o vejo acabo viajando para o Brasil sem sair da Suécia. 😉
      Puss!

  14. Que tela bacana Vânia, ficou show!
    Eu estive em Embu das Artes uma vez, mas infelizmente além de ter sido no meio da semana, ainda estava chovendo. Não deu para ver muita coisa, mas mesmo assim fiquei apaixonada pela cidade. Realmente é um belo cenário para fotos incríveis! 😉

    1. Obrigada Karine!
      A cidade de Embu é uma graça mesmo e fiquei com uma dorzinha no coração por não ter conseguido fotografar tudo o que eu gostaria. Mas tudo bem. Se você tiver oportunidade visite-a novamente, pois vale a pena mais pela visita, do que pelas compras em si.
      Puss!

  15. hahaha, sabe que quando comecei a ler o post e ver as primeiras fotos, pensei: isso tem uma cara de ‘made in China’, mas não ia ser a desmancha prazer, Né? hahaha. Mas ai vc mesma descobre que era tudo made in China…hahaha. Só rindo mesmo! Agora seu quadro ficou lindo e deu uma super alegrada na sala. E esse sentimento de querer algo do Brasil é surpreendente qdo estamos fora! Parabéns pela aquisição. BTW, se quiser te mando um Romero Brito ‘nacional’ da China…hehehe brincadeirinha… =P

    1. Hahaha! Então, acho que foi transmissão de pensamento, pois quando estava em Embu vendo essas coisas eu lembrava de você sempre que via o “made in China” e me remoia :D. Impossível hoje em dia encontrar algo que não seja deste país, né? Se eu quiser algumas peças que vi por lá, vou fazer algumas encomendas contigo porque mesmo pagando o frente ainda sairá mais barato.

      Estou feliz com o quadro da nossa terrinha e sempre que olho pra ele é como se acalentasse o meu coração. É bom tê-lo por aqui (parece que estou falando de uma pessoa, né? Tô ficando meio birutinha nesses últimos tempos).

      E olha só, pode mandar o Romero Brito da China que eu eu aceito, até porque cavalo dado não se repara os dentes hahaha.

      Puss!

Faça a teimosa feliz. Comente!