Exposição Sebastião Salgado em Estocolmo

Para quem me conhece sabe o quanto sou apaixonada pela arte da fotografia, tanto como admiradora como praticante. Sei que ainda tenho um longo caminho a percorrer para melhorar o meu conhecimento técnico, que vai desde a desvendar do que a minha câmera é capaz até a aprender a fazer pequenas edições nas imagens. Claro, que não vou mentir para você, porque eu também fico bastante satisfeita com o resultado natural das fotos. Mas sabe como é, tem aquela voz chatinha que fica martelando na cabeça “você pode melhorar, você pode fazer mais que isso, você é capaz”. E é isso que eu quero fazer.

Fotografia é um assunto que eu adoro e procuro aprender também na base da observação. Tanto que um dos meus museus preferidos em Estocolmo, sem dúvida, é o Fotografiska Museet. Se eu pudesse, iria a todas as exposições de fotos que o museu recebe. Porém, como ainda não posso me dar ao luxo de bater o cartão toda vez que há uma nova exposição, eu procuro amenizar minha inquietação selecionando o que realmente eu julgo imperdível.

E foi assim que aconteceu no ano passado quando visitei a exposição do fotógrafo tarado Helmut Newton e nesse verão ao conferir de perto o trabalho do brasileiro Sebastião Salgado. Nesse último caso não sei dizer se foram as fotos que mais me chamaram a atenção ou se foi o fato de sentir aquele orgulho estufado no peito pelo fato dele ser brasileiro e ter conquistado o mundo com o seu trabalho.

A exposição denominada Genesis esteve aberta ao público no período de junho a setembro e foi o resultado de oito anos de trabalho (de 2004 a 2011) do fotógrafo. Ele percorreu o planeta em busca da vida que ainda permanece intocada e preservada. Segundo o próprio Sebastião “essas imagens retratam um mundo que nós estamos prestes a perder por causa da nossa busca pela felicidade material. Para construir cidades, aeroportos e tantas outras coisas, deixamos para trás danos enormes. Estamos vendo os efeitos disso, como na cidade de São Paulo, com a queda nas reservas de água”. Ele tem razão! Até quando o homem irá destruir tudo o que há a sua volta em nome da ganância, hein?

IMG_2180

Enfim. Foram 245 fotografias com paisagens belíssimas de montanhas, desertos, florestas, tribos, aldeias e animais. Dá para acreditar que para fazer todo esse trabalho o fotógrafo realizou 32 viagens?

IMG_2175

IMG_2171

IMG_2173

Os lugares que ele visitou realmente são de cair o queixo. Mas o que mais me chamou a atenção foram as fotos realizadas no Brasil. A natureza, os índios e os pássaros, todos de uma beleza singular. Tirei pouquíssimas fotos, do celular mesmo sabe, só para compartilhar com você que ainda não pode prestigiar essa exposição.

IMG_2177

IMG_2172

Como deixei para ir na última semana o museu estava lotado. Mesmo em pleno dia de sol fiquei surpresa em constatar que o ambiente estava dominado pelos suecos.

IMG_2178

IMG_2170

A cada fotografia eu escutava comentários e sussurros dizendo que o trabalho era belíssimo, incrível, “bravo”. Pois é, aqui vai o meu momento orgulho de ser brasileira 2a. parte.

IMG_2176

IMG_2174

O estilo do Sebastião são fotografias em preto e branco. Confesso que já me arrisquei a fazer algumas assim também, mas que não surtiram o efeito que eu esperava. É bem legal você olhar determinadas fotos e identificar de cara quem foi que as tirou. E o Sebastião é assim. É bater o olho na imagem e já associá-la a esse profissional.

A única coisa que não curti muito foram algumas fotos que estavam demasiadas “photoshopadas”. Acho incrível trabalhar as fotos fazendo pequenas correções e ressaltando o que há de melhor, mas é preciso tomar cuidado para não exagerar e perder o tom original. Bom, gosto não se discute, não é mesmo?

IMG_2179

Mas afinal, quem sou eu para criticar um fotógrafo renomado. Não sou nenhuma crítica especializada e como disse anteriormente ainda preciso aprender muito.

No fundo eu tenho de dar o braço a torcer e dizer que o cara é o cara. E confesso a você, querido leitor, que ele virou mais um queridinho e uma fonte de inspiração para mim.

Vi ses… hej då! 😉

27 pensamentos

  1. Oi Lindinha!!!
    Eu visitei essa exposição no Sesc Belenzinho e gostei muito! Que orgulho dele ser um brasileirinho tão respeitado! Acho ele muito bom,mas eu preferi esse último trabalho,achei um bom tema pra reflexão,sobre o que estamos fazendo com esse mundo.
    Bjs

    1. Olha, o cara é o cara. Bastante talentoso mesmo! Tomara que as fotos tenham surtido efeito nas pessoas, não apenas pela beleza e composição, mas principalmente pela conscientização.
      Puss! 😉

  2. Ai que demais, sou completamente apaixonada pelas fotografias dele! Eu fui na exposição do “Genesis” que teve no SESC Santo André e fiquei encantada! Queria muito poder comprar o livro mas infelizmente ainda $$$ não posso KKKKKKKKKKK

    1. Sério? Putz, uma das minhas amigas foi ver a exposição no mesmo lugar que você. Que legal!
      Pois é, fiquei com o mesmo sentimento com relação ao livro. Mega caro! Achei melhor deixar para lá rs. Um dos meus amigos comprou alguns posters aqui em Estocolmo e ele mencionou que estavam bem carinhas também.
      Puss! 😉

  3. Ahhhh eu também amo Sebastião Salgado! As fotos dessa exposição Genesis são maravilhosas e eu queria ter estado em muitos daqueles lugares. O trabalho dele é mesmo fantástico!

    1. Van, assim como você eu também gostaria de visitar todos esses lugares os quais ele teve o prazer de conhecer. Um mais lindo que o outro. Isso sem contar a experiência pessoal e o sentimento que deve ter rolado indo a todos eles. Um sonho!

    1. Mariel, meu querido!
      O trabalho dele é sem dúvida muito contagiante. Apenas algumas fotografias não me agradaram, justamente por causa desse efeito do Photoshop. Mas uma coisa é inegável… a luz natural das fotografias é simplesmente fantástica!
      Muito obrigada pelo carinho. Em breve visitarei todos os cantinhos que gosto na blogosfera… e o seu é um deles. 😉
      Puss!

      PS. Por aqui está tudo bem e espero que por aí também! 🙂

  4. Vania,
    Que lindo! Eu sou apaixonada pelo trabalho do Salgado, a quem tive o prazer de conhecer pessoalmente, antes dele se mudar para Paris, ele morou em minha cidade e o conheci através da Mamae. (rsrs).
    Em 2013 a Vale fez um concurso fotografico chamado #VamosPreservar, baseado no livro Genesis de Salgado, foram 15 fotos eleitas e entre as 3 escolhidas por ele estavam fotos de Belem, Londrina e Vitória. Os ganhadores receberam o livro Genesis autografado.
    Além de fotografo mais que renomado, ele é fundador junto a Lélia sua esposa, o Instituto Terra com propósito de replantar a Mata Atlântica.
    E só fazendo uma pequena correcao ele é formado em economia pela Federal do ES o mestrado sim que é em SP e Doutorado na Franca. E como ele mesmo diz a paixao pela fotografia comecou na Africa em uma viagem a trabalho, onde usava a máquina da esposa emprestada, pois nem máquina fotografica ele tinha rs.
    E repetindo uma frase do próprio Sebastiao Salgado, “desejo que cada pessoa que visita minhas exposições seja, ao sair, uma pessoa diferente.”
    Amei Amei e Amei! Quem sabe a esposicao um dia venha para a Alemanha.
    Beijos

    1. Oi Lolita!
      Wow! Quem honra essa, hein! Quando o conheceu, você devia ser bem pequeninha, né? rs. Eu adoraria conhecê-lo pessoalmente. Acho que ficaria sem fôlego! #momentotietagem 😀
      Poxa, muito obrigada por compartilhar mais detalhes sobre esse brilhante fotógrafo. Com certeza todos nós brasileiros que conhecemos o trabalho dele (e no seu caso pessoalmente) é motivo de orgulho… nesse caso redobrado.
      Ah, e se ele tiver alguma exposição por aí na Alemanha, você tem de contar pra gente, tá?
      Valeu! 😉

  5. Vanoca, passei a me interessar mais por fotografia depois que vim morar aqui e tenho me apaixonada cada vez mais!
    Ainda mais tendo amigas super talentosas como você, Ana e a Ray que me tiram o fôlego com as imagens que postam! Muito amor e muita inspiração!
    Deve ter dado muito orgulho ver uma exposição dessa proporção só com trabalhos de um conterrâneo em terras vikings, não é?
    Eu mesma fiquei aqui toda boba!
    Obrigada por dividir esse momento com a gente, sua linda!
    Um beijão pra você! <3

    1. Pam, minha linda, super querida e idolatrada amorinha!
      Eu sempre gostei de fotografia, mas o meu olhar era bem diferente. Eu queria estar em todas elas! haha. Hoje em dia me sinto mais à vontade em estar atrás das lentes. Mas não vou negar que gosto de aparecer, de vez em quando, em algumas delas. O engraçado é que eu fico dirigindo o meu marido. Faça isso, agora aquilo… o menino fica doido comigo hehe.
      A exposição foi maravilhosa e o orgulho esteve lá nas alturas. Poder ver os suecos contemplando o trabalho dele, sem dúvida, me deixou parecendo um pavão rs.
      Agora talentosa? Ainda não, mas ei de chegar lá! Você verá!!! 😀 (modesta eu, não?!)
      Obrigada pelo carinho. Puss!

  6. Aiii Vã, também sou que nem você, amo fotografia em todos os sentidos, mas também preciso melhorar muito, mesmo já gostando de como minhas fotos ficam sem experiência nenhuma! Quando fui à Estocolmo amei o Fotografiska, um paraíso para fotógrafos, tem cada coisa linda lá! Essa exposição está espetacular! 😀 Beijos, Allane.

    1. Pelo jeito estamos juntas na fotografia Allane, tanto no sentido de gostar dessar arte como o museu, né?! Estou pensando seriamente em me tornar membro do Fotografiska, mas primeiro quero entender as regrinhas. E se valer a pena, pode ter certeza que virão muitos relatos sobre as exposições. 😉
      Puss!

  7. Oi Vânia,
    Uso sempre o ‘acho’ qdo não tenho a certeza. 🙂 Portanto, acho q ele é mais conhecido fora do Brasil, pelos brasileiros.
    Poucos não devem gostar de apreciar uma boa foto. Eu gosto, no entanto tem me desanimado o excesso de utilização de retoques, mesmo transformação de um natural. Para mim isso não é ser fotógrafo, mas sim um bom utilizador de técnicas com o computador-software de imagem.
    Bjs

    1. Será?! Eu também não sei hehe. Mas eu fiquei surpresa ao saber das minhas amigas que vieram do Brasil me visitar, que todas elas o conheciam e já tinham visitado a exposição em São Paulo. Super me recomendaram!
      Eu, particularmente, gosto das fotos mais naturais, porque aí sim você vê se o cara é um fotógrafo de verdade. Como diz um grande amigo meu, não existe mais foto ruim, o que existe é Photoshop. E isso fica bem claro em alguns perfis que sigo no Instagram. É uma pena!
      Puss!

      1. Ah…vou criar polémica. 🙂 🙂 Amigos do eixo Rio-São Paulo, não vale. É outro Brasil dentro do Brasil. Será conhecido no Norte, Nordeste, parte da região Centro, interior do Sul ?
        Conheci o seu trabalho qdo passei a viver na Europa. Foram fotos premiadas com cenas da vida simples e rural em África, em preto e branco. Deve ter utilizado photoshop, mas não tão visível.
        Concordo com seu amigo.
        Antigamente, sem recurso digital é q uma bela foto era realmente um belo momento registrado, com foco e inspiração.
        Bjs

        1. Ah, como assim não vale? Vale sim rs. A gente sabe que a região Sudeste acaba centralizando os principais eventos do país e por isso atrai muito “mais olhares”. Mas eu acredito sim que há pessoas nas demais regiões, em uma menor proporção, que o conheçam. Mas eu tenho de contar um segredinho também. Mesmo quando morava em Sampa, eu só ouvi falar dele quando esse mesmo amigo do Photoshop comentou sobre o trabalho do Sebastião. Então, eu também fazia parte dessa estatística de não conhecê-lo, mesmo estando no eixo Rio-São Paulo. Viu, nada é perfeito! 😀
          Puss!

          1. Ah, é? Então, vou te contar um segredinho tb….acho q vcs 2 tem outra afinidade na vida. 😉 É que ele tem formação em Economia, SP. Atualmente, parece viver em Paris, mas corre o mundo.
            bks

Faça a teimosa feliz. Comente!